Trovi: criada durante a pandemia, startup do ecossistema da Eretz.bio une healthtech e fintech​

Trovi: criada durante a pandemia, startup do ecossistema da Eretz.bio une healthtech e fintech​

Para muita gente, o ano de 2020 foi de recalcular a rota. Planos precisaram ser revistos assim que a pandemia da Covid-19 engoliu o mundo. Se houve quem preferisse adiar seus projetos, na Trovi o momento conturbado serviu para impulsionar a ideia de lançar um aplicativo para ajudar pessoas a encontrar os serviços para cuidar da saúde. 

“Na verdade, esse momento da pandemia nos trouxe mais estímulo”, conta Michelle Mello, cofundadora e diretora-executiva da startup. “A gente viu que a demanda por tecnologia estava aumentando, era uma necessidade crescente os serviços irem até a casa das pessoas. O mobile ficou muito forte, e nossa startup tem essa raiz na tecnologia”, explica. 

A Trovi, que está incubada no ecossistema da Eretz.bio desde agosto, se descreve como um híbrido entre healthtech e fintech. De um lado, a empresa oferece um coach virtual (uma Inteligência Artificial) que personaliza os serviços oferecidos de acordo com a necessidade do usuário. Do outro, facilita o acesso ao crédito e parcela, em 12x, em parceria com o Santander e com a Getnet, a contratação de serviços como exames, consultas e procedimentos — em um “kit” —, em condições mais favoráveis que as do mercado. 

“Há uma crítica muito forte aos planos de saúde, que acabam não sendo gestores de saúde. As operadoras vendem o plano, oferecem um livrinho com endereços e contatos, e a pessoa se vira para encontrar o que precisa”, explica a fundadora da empresa.  

Foi daí que a Trovi pensou em resolver ambos os problemas de uma só vez: ampliando o acesso à saúde a partir de financiamentos com condições mais convidativas e também engajando seus usuários a se preocupar na hora de se cuidar. Por exemplo, se a pessoa fizer uso de algum medicamento, o coach virtual poderá enviar uma notificação lembrando-a de tomar. 

Como surgiu a Trovi 

A ideia de criar a startup, no entanto, veio bem antes da pandemia. Mello trabalhou na ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), órgão responsável pela regulamentação dos planos de saúde no país, por mais de 15 anos, período em que conheceu sua sócia, Martha Oliveira. Lá, ela pôde ver de perto como é feita a gestão dos planos, bem como as dores enfrentadas pelos usuários. 

“A sementinha da startup começou alguns anos atrás quando eu estava na ANS. A gente via que menos de um quarto da população tem acesso à rede privada de saúde. A gente fazia uma regulamentação para somente 23% das pessoas. Esse número sempre incomodou”, acrescenta. 

Mas entre a semente da Trovi ser plantada e começar a germinar levou alguns anos, tempo em que as duas sócias foram trabalhar em empresas privadas. Elas só voltaram a se reencontrar em janeiro de 2020. Em um almoço, tiveram a ideia de tirar a startup do papel.  

O primeiro dia de trabalho na Trovi foi oficialmente em 2 de março. Como se já não bastasse o desafio de criar uma startup na área da saúde, logo de cara elas se depararam com outro enorme obstáculo: a pandemia. Com a quarentena iniciada nas maiores cidades do país, muitas empresas precisaram adotar o regime de home office da noite para o dia e descobrir como gerenciar seus projetos à distância. 

A Trovi enfrentou esse mesmo desafio. Mas também entendeu que o crescimento no uso de serviços online era uma oportunidade para criar um produto que pudesse responder a essas demandas. “A gente puxou da gaveta nosso projetinho da startup e foi remodelando as funcionalidades do app”, relembra. 

Em meio ao desenvolvimento do produto, em abril, a telemedicina foi regulamentada no país de forma emergencial, como resposta à quarentena e ao isolamento social. Não estava nos planos da Trovi ter esse tipo de funcionalidade, mas essa foi a oportunidade de acrescentá-la no app. 

“Ficamos até setembro desenvolvendo a parte mobile, o sistema em si e a parte de gestão. Daí foram meses só de testes”, acrescenta a fundadora. No fim desse período, veio o lançamento oficial da operação comercial, em 1º de dezembro. A empresa contou, ainda, com investimentos de seus fundadores, além de R$ 500 mil captados de dois investidores-anjo para poder fazer essa jornada. 

Como próximos passos, de olho em escalar seu negócio, a Trovi busca diversificar seu modelo de assinatura e avançar  o desenvolvimento da Inteligência Artificial. A previsão é que no primeiro semestre de 2021 já haja novidades no aplicativo. 

Agora que você conhece a Trovi, pode clicar aqui para conferir mais empresas incubadas no ecossistema da Eretz.bio: https://eretz.bio/startups/

Veja também: Ver todas

Newsletter

Quer ficar por dentro do que acontece na Eretz.bio?